Primeiro Aquário

30 de nov de 2010 09:19 Postado por Marcelo Duarte Ventura Melo

Montagem do primeiro aquário

Devemos começar falando que após se adquirir um peixe você estará levando para casa um ser vivo que requer cuidados como qualquer outro animal de estimação, este é o primeiro passo para quem está começando no hobby, saber o tamanho da responsabilidade que se tem ao adquirir um peixe, pois afinal de contas estamos retirando o mesmo de seu habitat natural e o mínimo que podemos fazer é dar a ele uma qualidade de vida digna, por mais que se faça nunca será a mesma coisa que a natureza, então um lugar onde ele possa crescer a até quem sabe procriar é o mínimo que devemos fazer. Para tal devemos ter em mente que um aquário bem montando e estabilizado dificilmente trará problemas futuros, a menos que haja descuido do próprio aquarista.

Capacidade de água do aquário: Primeiramente deve-se conhecer a capacidade de água do aquário e isso pode ser calculado com a seguinte formula: largura X altura X comprimento, o resultado da multiplicação deve ser dividido por mil. Exemplo de como calcular a capacidade do aquário: 30 de largura, 30 de comprimento e 30 de altura (um aquário nessas medidas é chamado de aquário padrão) ao multiplicarmos esses valores teríamos um produto de 18000, em seguida fazendo uma divisão por mil teríamos um valor final igual a 18, ou seja, o aquário teria em sua capacidade 18 litros. Essa medida é importante devido ao uso de produtos que são inseridos na água, exemplo disso são os medicamentos para peixes e plantas.

Filtro: É o equipamento mais importante, pois é ele que realiza a filtragem mecânica, química e biológica do aquário. Estes têm que ser bem escolhido, dê preferência para filtros que caibam uma boa quantidade de materiais filtrantes, ou, se preferir, pode-se montar um, o recomendado é que o filtro circule no mínimo cinco vezes o volume de água do aquário. Esqueça o uso do famoso filtro biológico de fundo, ou aquelas placas pretas sob o cascalho, com o passar do tempo ele passa a ser mais um causador de problemas do que propriamente um filtro biológico, este é um equipamento ultrapassado no aquarismo, e mesmo que ainda haja pessoas que defendam seu uso (principalmente vendedores mal informados) é um método que deve ser definitivamente descartado.

Os materiais filtrantes que se costumam usar nos filtros são os seguintes:
- Perlon. Onde ficam retidas as partículas em suspensão na água, realizando assim a filtragem mecânica.

- Cerâmica. É onde vai ficar a grande concentração da colônia de bactérias, realizando a filtragem biológica, muito importante. Também pode-se usar outros tipos de materiais não tão comuns como fibras para fixação de bactérias.

- Carvão Ativado: É onde será feita a filtragem química da água, algumas pessoas utilizam removedores de amônia, de fosfatos, de nitratos etc, mas o mais comum é o carvão ativo. Em aquários bem montados, essa filtragem pode ser dispensada.

Uma recomendação muito importante é de nunca desligar o filtro, lembre-se que a sua colônia de bactérias só pode ficar algumas horas sem oxigenação, muito tempo sem oxigênio tende a fragilizar e até matar toda à colônia. Vale lembrar que nunca se deve deixar seu filtro ligado sem água dentro, pois ele poderá queimar por superaquecimento.

 filtro Filtro externo ideal para aquários de água doce

Aquecedor com termostato: Indispensável para quem mora em regiões onde a temperatura costuma cair bastante, principalmente à noite. Este nada mais faz do que manter a água do aquário em uma temperatura constante, por exemplo, se você regular ele em 25º e a temperatura da água cair para 24º ele aciona sozinho e faz a água voltar para os 25º. Mudanças muito bruscas de temperatura serão prejudiciais para os peixes, por isso a necessidade do uso deste equipamento. Mesmo assim é recomendado o uso de um termômetro para acompanhar a temperatura em caso de uma possível “pane” do termostato. O ideal é que a temperatura fique entre 23º a 27ºC, esse é o recomendado, mas claro que varia de espécie para espécie. Dê uma pesquisada sobre a espécie que vai adquirir e veja a temperatura recomendada para a mesma, mas já adiantando, nunca deixe a temperatura acima dos 30ºC e nem abaixo dos 20ºC para peixes tropicais. Faça a escolha do aquecedor seguindo a formula de 1Watt/litro, por exemplo, se seu aquário tiver 80 litros escolha um aquecedor de 80W ou o valor mais próximo disso. Você nunca deve ligar o aquecedor fora do aquário e mesmo se estiver no aquário o recomendado é que se tire da tomada e deixe esfriar com a temperatura da água para somente depois retirá-lo. O choque térmico pode causar a quebra do vidro de proteção do equipamento.

 termostato Regula a temperatura automaticamente facilitando trabalho do aquarista.

Comprando os peixes: Quando for comprar os peixes, dê preferência para aqueles que tem uma coloração normal, nem muito claro, nem muitos escuros, se algum deles estiver com um comportamento diferente dos demais como estar quieto no fundo, ou nadando na superfície, exceto para espécies com esses hábitos, não o leve, pois certamente este peixe está com algum problema. Algumas espécies somente com o passar do dedo no aquário acompanham seu dedo achando que vão ganhar comida. Dê preferência para lojas com boa reputação, nessas lojas os peixes costumam ter um tratamento melhor, e conseqüentemente são mais saudáveis. Tenha cuidado ao adquirir seus peixes para ver se são compatíveis entre si (isso inclui principalmente ao fator do pH) e se vão se adaptar com o tamanho do seu aquário, pois um dos maiores mitos do nosso hobby é exatamente este, “quanto maior o aquário mais os peixes crescem” isso é história de gente desinformada, um peixe irá crescer independentemente do tamanho do aquário, e se colocado em um aquário menor do que o recomendado pode sofrer de graves problemas como um estresse constante, atrofiamento até morte.
Não compre peixes além do que o seu aquário comporta, dê uma boa pesquisada em quais/quantos peixes você poderá colocar no seu aquário, pois ao contrário você terá problemas como um nível muito alto de amônia que é um composto extremamente tóxico para os peixes, podendo levá-los a morte. Alguns dos peixes mais comuns de se encontrar  em lojas de aquários. 

Auratus Socolofi Betta Tetra Negro Molinesia Platy Colisa Neon Coridora

Introduzindo os peixes no aquário: Para isto, o aquário deve estar devidamente ciclado (aquário deve permanecer com todos os equipamentos em funcionamento mas sem a presença de peixes) e adaptado para receber seus novos habitantes. Nunca monte um aquário e logo em seguida coloque os peixes, o período que se leva para ciclar o aquário, geralmente é de 30 a 40 dias. Neste período deve-se acompanhar os níveis de amônia, nitritos e nitratos que devem aumentar. Quando a amônia e nitrito caírem a zero depois de terem subido, aí sim, o aquário está pronto para receber os habitantes, mas cuidado, os peixes devem ser colocados aos poucos para que a colônia de bactérias se adeque ao aumento da carga biológica. Quando for colocar os peixes no aquário deixe o saquinho boiando na água por uns 15 minutos para os peixes se adaptarem à temperatura do aquário, após, coloque um pouco da água do aquário no saquinho. Faça isso em intervalos de 5 minutos até completar 15 minutos, isso se faz para os peixes irem se acostumando com os fatores químicos da água do aquário, após este procedimento pode-se então colocar os peixes. Não coloque a água do saquinho no aquário, jogue esta água fora. Não se assuste se no início os peixes ficarem quietos no fundo ou se escondendo, ou então não se alimentarem, pois é normal que fiquem assim devido à mudança, eles podem também perder sua coloração, mas após terem se adaptado ao aquário recuperam sua cor normal.
Alimentação: Um dos problemas dos iniciantes é o excesso de comida, quando for alimentar seus peixes coloque pouca comida o suficiente para ser consumido em até 5 minutos, espere-os comer o que foi dado, após, coloque mais um pouco, quando observar que a procura por comida diminuiu já estará na hora de parar de alimentá-los. Fazendo este procedimento evita-se restos de comida na água o que resultaria em matéria orgânica em excesso, algas, turvamento da água etc.

Procure variar a alimentação dos peixes, comprando diferentes alimentos, não se limite a dar sempre a mesma ração, peixes comem praticamente de tudo, então, a necessidade de variar a alimentação. Procure oferecer para os peixes rações de boa qualidade, procure também oferecer-lhes alimentos vivos uma vez por semana como artêmias, pois são ótimas para complementar sua dieta. Saiba também que os peixes no calor costumam comer mais. Nunca alimente seus peixes à noite com as lâmpadas apagadas, a não ser com rações específicas no caso da manutenção de peixes de fundo. Procure assim como as luzes, definir um horário fixo para alimentar seus peixes, alimentá-los de duas a três vezes por dia já está ótimo. Cuidado para não deixar o pote de comida aberto ou perto do calor das lâmpadas. Saiba também que um alimento velho perde suas características nutritivas, então, sempre quando for comprar uma ração observe a data de fabricação, caso esteja velha, descarte sua compra. Não dê para seus peixes rações de má qualidade, migalhas de pão ou bolachas.

Manutenção: Outro fator muito importante para se obter sucesso com um aquário. As manutenções devem ser seguidas à risca principalmente em aquários pequenos e é ai que entra mais um dos mitos do hobby “aquário pequeno dá menos trabalho que um grande”, isso está extremamente errado, um aquário grande é muito mais estável que um aquário pequeno. Em um aquário pequeno os fatores de química/temperatura da água tendem a variar muito, então, não se deixe enganar, um aquário grande dá menos trabalho que um pequeno e as chances de se obter sucesso com um aquário grande é muito maior que um de pequeno porte.

Como os fatores da água tendem a variar, principalmente em aquários pequenos deve-se sempre ter em mãos alguns testes, principalmente testes de amônia, nitrito e pH, e estes devem ser observados constantemente. Outro produto que se deve ter em mãos é o anti-cloro, pois muita gente perde seus peixes por não saberem que não se pode colocar água da torneira no aquário sem antes eliminar o cloro existente na água, se caso usar condicionadores de água o uso do anticloro torna-se desnecessário, pois além de neutralizar os metais pesados também elimina o cloro e outros compostos nocivos.

Faça tpas (trocas parciais de água) semanais sifonando bem o fundo do aquário. Isto serve para retirar todo o acúmulo de matéria orgânica que fica no substrato, troque de 30% a 40%, repondo com água nos mesmos parâmetros de pH e temperatura da água do aquário, preferencialmente uma água tratada com condicionadores e descansada. Em aquários grandes pode-se fazer esse procedimento de 15 em 15 dias.

NUNCA, mas NUNCA mesmo deve-se lavar o aquário, no momento em que está se fazendo isto se quebra todo o ciclo que se criou dentro do aquário matando toda a sua colônia de bactérias e voltando-se a estaca zero.  Lembre-se também de manter seu filtro sempre limpo e trocar os elementos filtrantes sempre que necessário, mas nunca troque os elementos da filtragem biológica, esta deve ser somente lavada com a própria água do aquário e sem esfregar muito.

imagem

A matéria completa pode ser acessada pelo link a seguir: http://www.aquaonline.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1802%3Aprimeiro-aquo-vamos-montar-o-nosso&catid=13%3Aaquarismo-doce-o-bco&Itemid=45

Reações: 

1 Response to "Primeiro Aquário"

  1. Breno Says:

    Eu tenho um aquario em casa, e nunca consegui ver um nascimento, mas agora consegui.....essa espécia se reproduz muito rapido, por isso que lá em casa ta cheio desses peixes.....haha....

Postar um comentário